[ editar artigo]

O que os Jogos Paralímpicos podem ensinar aos negócios

O que os Jogos Paralímpicos podem ensinar aos negócios

Alguém já disse que viver é um desafio constante, que as dificuldades existem para nos motivar a superá-las, mesmo quando algumas delas nos desanimam. Aí estão 2020 e 2021 para comprovar esta afirmação. Mas não é sobre desânimo que quero falar aqui. É sobre perseverança, união, determinação e capacidade de adaptação ao que nos é posto. Esta semana começaram os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 que, mesmo com menos destaque da mídia que os Jogos Olímpicos — a começar pela cerimônia de abertura que ficou com a TV Brasil e não com a TV Globo — nos ensinam lições de vida importantíssimas que servem para nossas relações pessoais, profissionais e para os negócios também.


Ser atleta, com ou sem deficiência, implica em desenvolver uma série de habilidades técnicas, emocionais e se dedicar muito aos seus sonhos. É saber gerenciar seu tempo e sua motivação, focar em eficiência, em liderança e em resultados de longo prazo. Mas na minha opinião, ser atleta paralímpico tem um plus na disciplina necessária, na habilidade de adaptação e no trabalho em equipe, além de naturalmente levantar a bandeira da igualdade, da diversidade e inclusão.


Disciplina faz parte da vida de qualquer atleta. Mas a impressão que sempre tenho ao ver um atleta paralímpico é que ele ou ela se doou um pouco mais, para se preparar melhor e vencer seus limites. Disciplina também é essencial para uma empresa de qualquer tamanho, implementar uma metodologia ágil, por exemplo. A habilidade de explorar várias oportunidades para não se limitar é outra qualidade inspiradora, que cai como uma luva para os negócios. A empresa que quer sobreviver precisa ser capaz de se adaptar, de ousar e se esforçar para que os resultados apareçam em meio a grandes desafios dos ambientes de negócios.


Saber trabalhar em equipe é essencial para o desenvolvimento de atletas paralímpicos de qualquer modalidade, principalmente para quem tem deficiência visual e compete no atletismo, na natação, no futebol para cegos de 5 e no ciclismo, que contam com a presença de pessoas auxiliares sem deficiência que competem junto. É preciso haver muita confiança e colaboração para diminuir os riscos de acidentes e lesões graves entre os atletas. Ter equipes que sabem trabalhar juntas é, certamente, um desafio para qualquer empresa. Mas assim como no esporte, essa relação precisa ser construída e conquistada.


Por fim, a igualdade no respeito às pessoas e a equidade nas oportunidades são algumas das mensagens dos Jogos Paralímpicos que mais deveriam servir de lição para nós do meio corporativo. A diversidade de atletas paralímpicos mostra que é o empenho, a dedicação e os resultados que se conquistam que devem ser levados em conta. É o que gestores e líderes também devem ter em mente, e dizer não ao preconceito. Aqui na Inmetrics temos um programa chamado Programa Incluir que visa incluir pessoas com deficiência no mercado de tecnologia.


Recentemente, a ativista e fundadora do The Valuable 500, Caroline Casey, afirmou em entrevista à CNBC que o número de pessoas com deficiência empregadas aumentou após as paralimpíadas de Londres em 2012. Ela espera que o mesmo ocorra com os jogos de Tóquio. Eu também espero que isso aconteça.

Texto publicado originalmente no Linkedin.

COMUNIDADE CEO DO FUTURO
Robson Del Fiol
Robson Del Fiol Seguir

Digital Marketing, Innovation, Startups Ecosystem, Advisory Board.

Ler conteúdo completo
Indicados para você