[ editar artigo]

Startups e o investimento-anjo

Startups e o investimento-anjo

O mercado de startups é cheio de neologismos e alguns termos pouco conhecidos pelo público em geral. No entanto, alguns destes termos passaram a ser de domínio público, sendo mais comuns os de Investimento-Anjo e Smart Money. Eles representam um investimento feito por uma pessoa física, sendo basicamente uma combinação de capital intelectual e dinheiro. Nestes casos, ambos são aportados em startups em seus estágios iniciais por uma futura participação societária nos negócios desta empresa.

Entre estes investidores, é comum a seguinte afirmação: “Quem investe em startups em estágio inicial, investe no jóquei, e não no cavalo”. Isso quer dizer que uma startup em estágio inicial vai fazer muitos pivots de modelo de negócio antes de se tornar um bom investimento, o que só acontece com uma parcela bem pequena das empresas, pois a grande maioria nunca vai receber investimentos.

O fato é que os investidores-anjo têm a difícil tarefa de “descobrir” qual startup tem mais probabilidade de dar certo no futuro e trazer retornos sobre os investimentos. Empresas neste estágio não têm balanços, não têm muitos números e, com isso, sobram incertezas.

Para reduzir as incertezas, os investidores-anjo profissionais possuem práticas de Gestão de Relacionamento com o Cliente (CRM) e filtros que utilizam dados para tentar separar o joio do trigo. Contudo, o sucesso de um investimento depende de muitos fatores incontroláveis pelos investidores e pelas investidas, não restando muita escolha a não ser apostar no melhor time fundador.

No Brasil, os investidores-anjo são responsáveis pelo maior volume de transações, porém com os menores tickets. Segundo pesquisa da Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos criada com o objetivo de fomentar o crescimento do investimento anjo para o apoio ao empreendedorismo de inovação brasileiro, o investimento- anjo alcançou a cifra de R$ 1,067 bilhão em 2019, com valor médio de investimento de R$ 129 mil. O mesmo estudo aponta também que hoje há aproximadamente 8.220 investidores-anjo no Brasil.

Os dados da pesquisa da Anjos do Brasil também evidenciam que o potencial deste mercado é muito grande se compararmos com mercados mais maduros. Nos Estados Unidos, por exemplo, há cerca de 323 mil investidores-anjos e, na União Europeia, são cerca de 345 mil. Já os valores de investimentos são da ordem de R$ 134 bilhões e R$ 49 bilhões, respectivamente.

Entendemos que o volume de investimentos anjos e a quantidade de investidores tende a aumentar por fatores mercadológicos e, também, pelo sentimento de give back dos empreendedores que um dia receberam investimento-anjo e conseguiram atingir o sucesso em seus negócios. Mas, ainda existem muitas variáveis que precisam ser melhoradas, tais como a facilidade de fazer negócios, a governança, a diversidade, e, também, menos burocracia.

Publicado originalmente no startupi.

Por Robson Del Fiol é sócio-diretor líder de Emerging Giants da KPMG no Brasil. Raphael Vianna é sócio-diretor de Análise de Dados para Deal Advisory da KPMG no Brasil.

COMUNIDADE CEO DO FUTURO
Robson Del Fiol
Robson Del Fiol Seguir

Digital Marketing, Innovation, Startups Ecosystem, Advisory Board.

Ler conteúdo completo
Indicados para você